Diante da busca obsessiva dos profissionais por produtividade, resultados e alta performance, é cada vez mais comum nos deparamos com casos da Síndrome de Burnout no trabalho.

Afinal, o distúrbio é caracterizado pela exaustão física e emocional acarretada pelo excesso de cobrança e tensão psicológica. 

De tal modo, saber como prevenir a doença é fundamental para empresas que prezam pela saúde de seus colaboradores. Acompanhe as próximas linhas deste post para garantir a qualidade de vida na sua empresa!

Você sabe o que é Burnout?

Somente neste ano de 2022 a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu e definiu a Síndrome de Burnout como sendo o “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso”.

Paralelamente a isso, o Ministério da Saúde diz que o Burnout, também chamado de Síndrome do Esgotamento Profissional, é um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico.

Ainda segundo o órgão, a síndrome é causada por trabalhos desgastantes, os quais demandam competitividade e/ou responsabilidade em excesso. 

Como a Síndrome de Burnout tem origem?

Quando o profissional é submetido a extensos períodos de pressão e tensão emocional, psicológica e/ou física, os níveis de estresse se elevam. 

Consequentemente, a longo prazo, isso gera um esgotamento crônico e completo. Não à toa, em inglês, a palavra Burnout significa “queimar até o fim”.

Em um mercado cada vez mais competitivo e alucinado por números, as exigências se tornam severas e, muitas vezes, inalcançáveis. Afetando, assim, o capital humano da corporação.

Afinal, cobranças incessantes por entregas ágeis, sem erros, em um cenário de pressão constante e aliado ao medo de perder o emprego… é a receita perfeita para o surgimento da síndrome relacionada ao trabalho.

Quais são os principais sintomas do Burnout?

Diferentes sintomas podem ser identificados em um quadro de Síndrome de Burnout no trabalho. Porém, elencamos os principais:

  • Cansaço físico e mental excessivo e constante;
  • Dores intensas de cabeça;
  • Insônia;
  • Dores musculares;
  • Fadiga;
  • Sentimento de fracasso;
  • Insegurança;
  • Alterações de humor;
  • Dificuldade de concentração;
  • Aversão à interação social.

Existe tratamento para a Síndrome de Burnout?

Felizmente, sim! O tratamento da Síndrome de Burnout envolve, majoritariamente, psicoterapia e medicamentos antidepressivos e/ou ansiolíticos. 

Em geral, os efeitos referentes à reversão do quadro começam a surgir a partir do terceiro mês de tratamento.

Além disso, mudanças nos hábitos, nas condições de trabalho e no estilo de vida podem contribuir, e muito, com a cura! A prática de exercícios físicos, por exemplo, alivia o estresse e controla os sintomas da síndrome.

Dessa forma, após a confirmação do diagnóstico médico, é fortemente recomendado que o profissional tire férias e busque se envolver em atividades de lazer ao lado de pessoas queridas, como amigos e familiares.

Como evitar a Síndrome de Burnout no trabalho?

Embora exista tratamento, o melhor remédio, como tudo na vida, continua sendo a prevenção. Por isso, cabe às empresas adotarem medidas capazes de evitar o desenvolvimento da Síndrome de Burnout no trabalho.

Logo, é necessário que as organizações se interessem e se responsabilizem pela saúde da sua equipe, promovendo ações que preservem a integridade daqueles que se dedicam à construção desse patrimônio.

Portanto, veja algumas dicas para prevenir doenças e problemas como o Burnout no ambiente laboral:

Estabeleça metas reais

Uma das primeiras estratégias de prevenção do estresse e, consequentemente, do Burnout é elaborar e seguir um planejamento claro e preciso. Ter os objetivos traçados e datados é primordial para manter os ânimos sob controle.

Contudo, é imprescindível que as metas estabelecidas sejam alcançáveis e condizentes com a realidade e o histórico da empresa. Em outras palavras, a equipe de gestão não deve cobrar os resultados dos sonhos, mas sim, os concretos.

Assim, os funcionários não têm necessidade de se desgastarem, em vão, para atingir objetivos fictícios, evitando estresse e frustração. Poupar a saúde mental dos colaboradores favorece, inclusive, o desempenho e a produtividade do time.

Promova reuniões informais

Toda empresa acaba se vendo na necessidade de realizar inúmeras reuniões semanais e, até mesmo, diárias. O que é essencial no processo de alinhamento de abordagens e estratégias.

Entretanto, é preciso contar com alguns encontros menos formais e sisudos para que os colaboradores possam se sentir mais à vontade para expor suas ideias, problemas e preocupações.

Por isso, procure reunir a equipe e, de tempos em tempos, programe-se para ouvir, individualmente, cada um desses profissionais. Desse modo, fica mais fácil aliviar as tensões, verbalizar as dificuldades e pedir ajuda.

Em suma, é preciso que a empresa e os líderes estejam cientes quanto à responsabilidade que carregam de zelar pela qualidade de vida do seu time. Ser um gestor presente, dar suporte, mostrar caminhos e oferecer feedbacks é elementar.

Valorize o trabalho da equipe

Diversas vezes, a instituição não permite que um ótimo funcionário seja promovido, pois isso envolve uma série de fatores. Porém, reconhecer o bom trabalho de um profissional não exige muito além de boa vontade.

Assim sendo, busque valorizar a capacidade, o empenho e a dedicação dos seus subordinados. Isso aumenta a motivação do trabalhador e ainda fortalece o senso colaborativo da equipe.

Gestos que parecem pequenos fazem toda diferença a longo prazo. Por isso, é muito importante estar atento a essas questões para garantir o bem-estar no ambiente de trabalho e evitar o esgotamento físico e mental.

Use as palavras e demonstre quando uma atividade é bem feita e bons resultados são atingidos. Não tenha receio de elogiar e contribuir para deixar o colaborador satisfeito, elevando seus níveis de hormônios da felicidade, como a serotonina.

Recapitulando: dicas rápidas para prevenir o Burnout

Para concluir, queremos reforçar algumas dicas e mencionar outras que podem ser colocadas em prática pelas corporações que não querem perder bons colaboradores para a Síndrome de Burnout no trabalho:

  • Siga, rigorosamente, as normas da Medicina e Segurança do Trabalho;
  • Não estipule metas surreais e abusivas;
  • Estimule mais a colaboração do que a competição;
  • Ofereça benefícios que visem o bem-estar do funcionário;
  • Incentive e disponibilize acompanhamento psicológico;
  • Implemente programas de exercícios laborais;
  • Promova eventos que abordem a importância do sono;
  • Evite a prática de horas extras.

Através dessas medidas e de outras que podem ser implantadas conforme a realidade de cada organização, é possível tornar os ambientes de trabalho confortáveis e saudáveis, sem perder o foco ou reduzir a produtividade.

Por fim, vale ressaltar que cabe às empresas instituírem programas e políticas capazes de prevenir as doenças ocupacionais e o desgaste mental dos colaboradores. 

Somente assim o capital humano poderá render o suficiente para entregar o que é esperado dele, de forma mais eficaz e saudável. Portanto, cuide dos seus funcionários e preserve os talentos do seu negócio!

Se este conteúdo foi útil, você vai gostar de ler também:

  1. Quais os impactos da depressão no trabalho?
  2. Quais os impactos do sedentarismo no trabalho?
  3. Bem-estar no trabalho: como promover e qual a importância?
Fale Conosco pelo WhatsApp
1