A Ordem de Serviço nº 606/98 do INSS introduziu no vocabulário da Saúde e Segurança do Trabalho a sigla DORT, para designar Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho. Com o tempo, ela veio a substituir a antiga sigla LER, cujo significado era Lesão por Esforço Repetitivo e, sendo assim, considerada muito vaga.

Trata-se de um mal ocupacional que é um desafio para profissionais de SST, considerando não só a forma de desenvolvimento, mas a própria inconsistência dos registros oficiais. Por isso, a melhor maneira de evitar que seus colaboradores sejam pegos por um problema articular ou postural é cercar-se de muita informação.

Essa é a proposta deste artigo, em que você saberá o que precisa sobre DORT e seus impactos nas rotinas laborais. Acompanhe!

O que é DORT e quais seus sintomas?

Em última análise, podemos dizer que toda atividade, em maior ou menor grau, expõe seus profissionais a algum tipo de risco ou esforço que se repete. Dentistas, secretárias, estivadores e até operadores de caixa são obrigados ou a permanecer em uma mesma posição por longos períodos ou são submetidos a esforços físicos intensos. Com o passar do tempo, se não são observadas as medidas preventivas, pode se configurar um quadro de DORT, em que se formam lesões nos músculos, nervos e tendões.

Quais as causas mais comuns?

Os distúrbios relacionados ao trabalho podem atingir as pessoas de diversas formas. No caso do DORT, as lesões se manifestam no sistema músculo-esquelético, em função de movimentos repetitivos, má postura ou excesso de esforço. Ora, então pode-se dizer que seu surgimento é inevitável? Certamente que não. Embora toda profissão apresente um certo grau de exposição a lesões articulares, é possível evitar os distúrbios vinculados ao trabalho com prevenção e conscientização.

As causas da antiga LER, via de regra, são sempre ligadas à manutenção de uma condição inadequada de trabalho ou à não observância e prática de atividades preventivas. É o caso, por exemplo, dos trabalhadores do ramo da segurança e vigilância patrimonial. Por permanecerem de pé por longos períodos, caso não cuidem do fortalecimento de suas articulações, tendem a desenvolver DORT na coluna, joelhos e até nos ombros.

O que deve ser feito pela empresa para evitar?

Por isso, o melhor que sua empresa deve fazer para evitar o alto custo de um colaborador afastado é estimular atividades físicas. A ginástica laboral, nesse aspecto, é uma prática recomendada, já que pode ser feita até mesmo na própria estação de trabalho.

Outra maneira de se evitar a incidência de distúrbios articulares em sua empresa é garantir que a mobília e assentos sejam perfeitamente ergonômicos. Nesse sentido, é fundamental realizar inspeções regulares, para verificar se cadeiras não estão avariadas e, assim, levando o trabalhador a assumir uma postura inadequada em serviço.

Lembre-se de que a qualidade de vida é fator de atração e retenção de talentos. Logo, a empresa que não se mostrar atenta em prevenir casos de DORT tende a ficar para trás. Invista no seu maior patrimônio, afinal, são as pessoas que fazem a diferença em qualquer atividade produtiva, certo?

Então, o artigo foi útil? Para receber outros em seu feed, curta nossa página no Facebook!

Open chat
Olá! Como podemos lhe ajudar?
Powered by